O yoga de hoje: igual ao Yoga do passado?

Nas notícias do dia 10 Novembro, apareceu um artigo com o título “Índia passa a ter um ministro do Yoga”. Fez-me lembrar que, ultimamente, tenho visto artigos e vídeos procurando saber ou discutir a diferença entre o yoga que se praticava antigamente e o yoga que se pratica hoje. Penso que há muitas diferenças, consoante tudo o que tenho lido nos textos antigos e no que se lê e vê hoje sobre o yoga.

Quase vinte anos passados desde que começei esta viagem, e reconheço que é uma viagem pessoal para todos os que o praticam e estudam, portanto como tal, é natural que haja uma evolução e uma adatação para a vida dos nossos dias. Para mim, tornou-se importante conhecer as raízes do Yoga quando percebi que não era meramente uma terapia, nem uma forma de fazer ginástica ou exercício físico. Acima de tudo, o Yoga é um modo de vida e um processo de transformação pessoal.

As razões que levam alguém a iniciar uma prática do yoga variam muito e vão das espirituais, problemas de saúde, ou simplesmente em acompanhar um amigo, que já pratica, na sua aula habitual. Os benefícios são enormes em todos os sentidos, e fico sempre feliz, quando alguém que conheço se inicia nesta viagem, seja qual for a sua razão para o fazer.

Eis um destes artigos:

“Yoga – Nem Hindu, nem Antigo: É uma confecção do século XIX/XX
Por Meera Nanda
Ninguém nega que os textos mais sagrados e antigos do hinduísmo, incluindo o Bhagavad Gita, descrevem diferentes tipos de práticas de yoga.

Mas o que é que esta tradição antiga e sagrada de yoga tem a ver com o que as pessoas em todo o mundo estão a fazer em aulas de yoga em ginásios e centros de fitness hoje em dia?

Para a maioria dos indianos, tais questões não são nada menos do que um sacrilégio. Yoga é para eles o que a tarte de maçã e a maternidade são para os americanos: um símbolo vivo de seu modo de vida.

Os indianos tendem a afirmar as suas reivindicações sobre yoga recorrendo aos ícones familiares de “5,000 anos da tradição Védica”, que supostamente se estendem desde o selo do Pashupati (que é na verdade não muito Védico) civilização do Vale do Índus ao Bhagavad Gita e o venerável Yoga Sutras de Patanjali. Yoga, os indianos gostam de declarar solenemente, é “eterno” e “intemporal” e todos os grandes mestres de yoga, de Swami Vivekananda a BKS Iyengar, a Baba Ramdev do nosso próprio tempo, só terem restaurado ou reinstituido uma prática antiga.

Também é comum ouvir os indianos – mesmo aqueles que não são particularmente espirituais – a culpar os americanos e outros “decadentes” ocidentais de reduzir a sua espiritualmente rica tradição a meros exercícios de relaxamento.

Ultimamente, os hindus na América começaram a erguer a bandeira de cor açafrão sobre o yoga do estilo americano, que consiste em grande parte de asanas de yoga e alongamentos. O lobby principal Indo-americano, a Fundação Americana Hindu (HAF), iniciou recentemente uma campanha vocal para lembrar os americanos que o yoga foi feito na Índia pelos hindus. Não os hindus comuns, mas os brâmanes sábios, que falavam a língua do sânscrito, que habitavam a floresta, e que aprenderam a disciplinar os seus corpos, a fim de purificar o seu atman.

A posição purista Hindu, articulada pelo HAF, é que todo o yoga, incluindo a sua componente física ou hatha yoga, está enraizada na religião Hindu/modo de vida que vai todo o caminho de volta para os sábios védicos e ioguis.

Há apenas um problema com esta história purista do yoga: ela é falsa.

Os asanas de Yoga nunca foram “Védicos” para começar.

Longe de ser considerada a jóia da coroa do hinduísmo, os asanas de yoga eram de facto desprezados pelos intelectuais hindus e reformistas – incluindo o grande Swami Vivekananda – como apto apenas para feiticeiros, faquires e jogis.

Além disso, o que HAF chama de “estupro de yoga”, referindo-se à separação de asanas de seu alicerce espiritual, não começou no supostamente decadente Ocidente; que começou, de facto, nos Akharas e ginásios do século XIX e XX da Índia, executados pelos nacionalistas indianos que procuravam contrariar imagens ocidentais de indianos caducos.

É nesta fase nacionalista que hatha yoga assumiu muitos elementos da ginástica e de musculação ocidental, que aparecem nas escolas de yoga de renome mundial do Iyengar e de Ashtanga Vinyasa. Longe de honestamente reconhecer as contribuições ocidentais para o yoga moderno, nós, indianos simplesmente marcamos todo o yoga como “Védico”, uma reivindicação presunçosa que não tem integridade intelectual.
É a história oculta de yoga postural moderno, que é o tema principal deste ensaio. Mas, primeiro, algumas informações sobre o grande movimento de ‘tomar de volta o yoga’.

YOGA NA AMÉRICA

Yoga para a América do Norte é o que McDonald é para a Índia: ambos são implantes estrangeiros que passaram a nativos. Não ao contrário dos arcos dourados que se multiplicam em cidades indianas, a paisagem urbana e suburbana dos Estados Unidos é pontilhada com clubes de saúde, spas do bairro, e até mesmo igrejas e sinagogas, que oferecem aulas de yoga.

Cerca de 16 milhões de americanos fazem algum tipo de yoga, principalmente como parte de seu exercício e rotina de exercícios. Quando os americanos cotidianos falam sobre o yoga, estão a falar principalmente do hatha yoga, que envolve alongamentos, respiração e posturas corporais.

Muitos estilos de yoga postural, introduzidos por professores de origem indiana – as escolas de Iyengar e Sivananda, o Ashtanga Vinyasa ou “power yoga” de Pattabhi Jois, e “hot yoga”, recentemente protegidas por copyright por Bikram Chaudhary – prosperam nos Estados Unidos. As formas mais meditatativas do yoga, popularizado pelos discípulos de Vivekananda, Sivananda e outros swamis, são menos populares. A preferência dos americanos por yoga postural em vez da meditação não é tão único: na Índia, também, centenas de milhões seguem Baba Ramdev, o mais popular tele-yogi da Índia, que ensina um yoga medicalizado, orientado para a asana, com pouco conteúdo espiritual ou meditação.

De um modo geral, a indústria de yoga nos EUA não esconde as origens que ensina. Pelo contrário, num país que é tão jovem e tão constantemente em fluxo, a antiguidade presumido de yoga (“o 5.000 anos de idade, sistema de exercício”, etc.) e as suas ligações com a espiritualidade oriental tornaram-se parte do discurso de venda. Assim, fazendo namastes, entoando “OM” e cantando mantras em sânscrito tornaram-se uma parte da experiência de fazer yoga na América.

Muitos estúdios de yoga usam a música clássica ou kirtan indiano, incenso, sinais de ‘OM’ e outros apetrechos do subcontinente para criar um ambiente espiritual adequado. Escolas de yoga Iyengar começam as suas sessões com um hino ao Patanjali, o compositor do Yoga Sutras do século II, e alguns até mesmo instalaram o seu ícone.

Este “hinduisação” não é inteiramente decorativa, até porque os instrutores de yoga são obrigados a estudar a filosofia hindu e as escrituras para obter uma licença para ensinar yoga.

“TOMAR DE VOLTA O YOGA”

Alguém poderia pensar que a popularidade do yoga e “hinduisação” iria alegrar os corações dos imigrantes hindus.

Errado.

A organização primária de defesa Hindu nos Estados Unidos, a já mencionada Fundação Hindu Americana ou HAF, dificilmente está radiante de orgulho. Pelo contrário, recentemente acusou a indústria de yoga americana de ‘roubar’ – mesmo de ‘estupro’ – o yoga, retirando-o o seu património espiritual e de não reconhecer as suas raízes hindus.

Milhões de americanos ficarão chocados ao saber que estão a cometer “roubo de propriedade intelectual” cada vez que praticam uma postura de yoga porque falham em reconhecer a “tradição mãe” do yoga ou seja o hinduísmo. O co-fundador da HAF e porta-voz chefe, Aseem Shukla , exorta os seus companheiros Hindus a “tomar de volta o yoga” e recuperar a propriedade intelectual da sua herança espiritual .

Os ativistas “tomar de volta o yoga” não estão impressionados com a crescente visibilidade dos símbolos e rituais hindus no yoga e outras instituições culturais nos EUA. Ainda encontram a fobia do hindu à espreita em todos os lugares para onde olham. Querem que os americanos pensem do yoga, os Yoga Sutras de Patanjali e o grande Vedas quando se pensa em hinduísmo, em vez dos velhos estereótipos de casta, vacas e caril.

Preferem, parafraseando Shukla, que o hinduísmo esteja ligado menos com as vacas sagradas do que com Gomukhasana (um asana particularmente árdua); menos com sadhus errantes coloridos e muito mais com a inspiração espiritual de Patanjali. Parece que esta campanha da recuperação-do-yoga é menos sobre yoga, e mais sobre a estranha mistura da diáspora defensiva indiana e sentido exagerado de excelência da elite, aspetos sanscriticos da religião e da cultura hindu.

O debate “quem é o dono do yoga” ganhou a atenção mundial em Novembro passado, quando o New York Times publicou um artigo de primeira página sobre o assunto. Mas a disputa começou mais cedo, com uma batalha de blogs, hospedados on-line por The Washington Post, entre Shukla do HAF e o guru Nova Era, Deepak Chopra.

Shukla queixou-se do yoga “establishment” que evita a “palavra-H” enquanto faz as suas fortunas a partir das idéias e práticas hindus. Acusou o yoga e a indústria da Nova Era, incluindo gurus indianos como Deepak Chopra, Maharishi Mahesh Yogi e outros, de usar eufemismos como “sabedoria oriental ” e “antigo indiano” para remontar idéias hindus, sem os chamar pelo seu devido nome.

Chopra, que, de facto, evita o rótulo hindu e chama a si mesmo um “Advaita vedantista” em vez disso, declarou que o hinduísmo não tinha patente sobre o yoga. Argumentou que o yoga existia na “consciência e somente na consciência” muito antes do hinduísmo, assim como o vinho e o pão existiam antes da Última Ceia de Jesus, o que implica que os hindus tinham tantos direitos sobre o yoga, como os cristãos tinham sobre o pão e o vinho.

Shukla chamou Chopra um “aproveitador filosófico” que não honra a sua herança hindu, enquanto Chopra acusou Shukla e o HAF de um preconceito fundamentalista hindu.

NEM ETERNO, NEM VÉDICO

Este debate é realmente sobre duas visões igualmente fundamentalistas da história hindu.

O objectivo subjacente é traçar uma linha ininterrupta que liga as posturas de yoga do século XXI com os quase 2.000 anos de idade de Yoga Sutras, e amarrar tudo aos supostamente 5.000 anos dos Vedas.

A única diferença é que, para Chopra, yoga existia antes do hinduísmo, enquanto Shukla e HAF querem reivindicar todos os cinco milénios para a glória do hinduísmo.

Para Chopra, o yoga faz parte da “sabedoria intemporal oriental”. Para o HAF, “Yoga e os Vedas são sinónimos, e são tão eternos quanto são contemporâneos”.

A realidade é que o yoga postural, como o conhecemos no século XXI, não é nem eterno nem sinónimo dos Vedas ou Yoga Sutras .

Pelo contrário, o yoga moderno nasceu no final do XIX/princípio século XX.

É um filho da Renascença hindu e nacionalismo indiano, em que as ideias ocidentais sobre ciência, evolução, eugenia, saúde e aptidão física desempenharam um papel tão crucial como a “tradição materna”. Na maciça e multi-nível hibridação que ocorreu durante este período, os aspectos espirituais do yoga e tantra foram racionalizados, em grande parte, através das idéias teosóficas de “ciência espiritual”, introduzidas na Índia pela Sociedade Teosófica de origem norte-americana baseada na Índia, e internalizadas por Swami Vivekananda, que liderou a renascença do yoga.

Por sua vez, os aspectos físicos do yoga foram hibridizados com exercícios, ginástica e técnicas de desenvolvimento muscular trazidas da Suécia, Dinamarca, Inglaterra, Estados Unidos e outros países ocidentais. Essas inovações foram criativamente enxertadas sobre o Yoga Sutras – que foi corretamente descrito por Agehananda Bharati, o monge hindu-místico nascido na Áustria, como “o yoga cânone para as pessoas que aceitaram a teologia brâmane” – para criar uma impressão de 5.000 anos no valor de continuidade onde não existe realmente.

A atual insistência do HAF é, portanto, parte de uma campanha de publicidade falsa sobre a antiga linhagem Brahmânica de yoga.

QUAIS RAÍZES VÉDICAS?

Ao contrário da impressão generalizada, a grande maioria dos asanas ensinados por gurus de Yoga modernos não são descritos em qualquer lugar nos antigos textos sagrados hindus. Alguém que vá à procura de referências às técnicas de yoga populares como pranayam, neti, kapalbhati ou suryanamaskar na literatura védica clássica ficará muito desapontado.

Os quatro Vedas não tem nenhuma menção de yoga.

Os Upanishads e o Bhagavad Gita têm, mas principalmente como uma técnica espiritual para purificar o atmaa(n). A bíblia de yoga, os Yoga Sutras de Patanjali, dedica apenas três sutras curtos (dos 195) a posturas físicas, e isso também só para sugerir formas confortáveis de se sentar quieto para a meditação prolongada. Asanas eram apenas o meio para o objetivo real – para aquietar a mente para alcançar o estado de consciência pura – no yoga de Patanjali .

Há, é claro, textos de hatha yoga centrados no asana na tradição Indica. Mas definitivamente não remontam há 5.000 anos: nenhum deles aparece até aos séculos X a XII. Hatha yoga é uma criação dos kanphata (lit. orelha-rachada) Nath Siddha, que não eram sábios de língua sânscrita meditando nos Himalaias. Eram (e ainda são) precisamente aqueles de cabelo-emaranhado, sadhus manchados-de-cinza que o HAF quer banir do imaginário ocidental.

De facto, se qualquer tradição hindu pode de todo reivindicar uma patente sobre o yoga postural, são estes que desafiam a casta, fumadores-de-ganja, sexualmente-permissivas, Shiva e Shakti adorando feiticeiros, alquimistas e tântricos, que eram pastores de vacas, ceramistas e afins. Empreenderam grandes austeridades físicas não porque buscavam alcançar a consciência pura, libertar-se do corpo e de outra matéria impura, mas porque queriam poderes mágicos (siddhis) para se tornarem imortais e para controlar o resto do mundo natural.

Longe de ser puramente védico, hatha yoga nasceu um híbrido.

Como Amartya Sen nos lembrou no seu discurso recente no Congresso de Ciência Indiano, universidades como Nalanda foram um caldeirão onde o Tantra budista fez contato com o taoísmo da China. No momento em que o budismo chegou à China através de Nalanda e outros centros de intercâmbio cultural ao longo da Rota da Seda no norte e a rota marítima no sul, os taoístas já estavam a experimentar com qigong, que envolveu a respiração controlada e canalização de ‘energia vital’ .

Práticas taoístas ostentam uma estranha semelhança com o pranayam yoguíca, levando os estudiosos a acreditar que os dois sistemas se têm influenciado mutuamente: os índianos aprendendo a respiração orientada para o exercício, de taoístas e taoístas na China aprendendo meditação orientada para a respiração de seus vizinhos indianos.

Mas esta síntese taoísta-Budista-Shaivite foi apenas o começo. Como podemos ver abaixo, hatha yoga iria absorver muitas mais influências na era moderna, desta vez do Ocidente.

A FABRICAÇÃO DOS TEXTOS ANTIGOS

O problema para os historiadores do yoga moderno é que mesmo estes textos de Hatha Yoga medievais descrevem apenas uma pequena fração das posturas de yoga modernas ensinadas hoje. “Luz sobre Yoga” de B.K.S. Iyengar em si só ensina 200 asanas, enquanto o Hatha Yoga Pradipika século XIV lista apenas 15 asanas, assim como o Gheranda Samhita e Shiva Samhita do século XVII.

Tendo em conta que há tão pouca tradição antiga em que se pode apoiar, referencias inverificáveis de textos antigos, mas agora perdidos, foram promovidas. O sistema de Ashtanga Vinyasa de Pattabhi Jois, por exemplo, é supostamente baseado num manuscrito escrito numa folha de palmeira chamada de Yoga Kurunta que o professor de Jois, mestre de yoga conhecido T. Krishnamacharya (1888-1989), terá descoberto numa biblioteca de Calcutá. Mas este manuscrito supostamente foi comido por formigas, e não há uma única cópia que possa ser encontrada hoje.

Outro texto “antigo”, o Yoga Rahasya, que ninguém foi capaz de encontrar, foi supostamente ditada para o Krishnamacharya enquanto num transe pelo fantasma de um ancião que tinha sido morto há quase um milénio. Tais são os frágeis – ou melhor, ficcionais – fundamentos em que o hinduismo apoia os seus direitos de propriedade intelectual reivindicados ao yoga.

Esta lamentável tentativa para criar uma linhagem antiga do yoga moderno é reminiscente do caso da matemática védica.

Nesse caso, Swami Shri Krishna Bharati Tirtha, o Shankaracharya de Puri, insistiu que 16 sutras no seu livro de 1965, intitulado Matemática Védica, encontram-se no apêndice do Atharva Veda. Quando ninguém conseguia encontrar as referidas sutras, o Swami declarou que só aparecem em seu próprio apêndice do Atharva Veda e não em qualquer outro! Esta “lógica” não impediu a matemática védica de emergir como uma indústria em crescimento, atraindo o gasto privado por indianos endinheirados em busca de aumentar a capacidade intelectual e os gastos públicos pelos governos estaduais que a introduziram nos currículos escolares.

SEGREDOS DO PALÁCIO MYSORE

Uma nova pesquisa trouxe à luz documentos históricos e histórias orais que levantam sérias dúvidas sobre a linhagem ‘antiga’ de Ashtanga Vinyasa do Pattabhi Jois e o Iyengar yoga. Ambos Jois (1915-2009) e Iyengar (nascido em 1918) aprenderam o yoga de T. Krishnamacharya, de 1933 até o final dos anos 1940, quando este dirigiu uma escola de yoga numa ala do Palácio Jaganmohan do Maharaja de Mysore, Krishnaraja Wodiyar IV (1884 -1940 ).

O Maharaja , que governou o estado e a cidade de Mysore de 1902 até sua morte, era conhecido como um grande promotor da cultura indiana e religião. Mas também era um grande inovador cultural, que acolheu inovações positivas do Ocidente, incorporando-as nos seus programas sociais. Promover a educação física era uma das suas paixões, e sob seu reinado, Mysore tornou-se o centro de um renascimento da cultura física no país.

O Maharaja havia contratado Krishnamacharya principalmente para ensinar yoga para os jovens príncipes da família real, mas também financiou as viagens por toda a Índia de Krishnamacharya e seus protegidos para dar demonstrações de yoga, incentivando, assim, um enorme renascimento popular de yoga.

De facto, a família real de Mysore tinha um interesse de longa data em hatha yoga: Mummadi Krishnaraja Wodeyar III (1799-1868), pai de Wodeyar IV, é creditado com compor um manual primorosamente ilustrado, intitulado Sritattvanidhi, que foi descoberto pela primeira vez por Norman Sjöman, um estudante de yoga sueco, em meados da década de 1980 na biblioteca do Palácio Mysore.

O que é notável sobre este livro é a sua combinação inovadora de asanas de Hatha Yoga, com exercícios de corda utilizados pelos lutadores indianos e os danda flexões desenvolvidas nas vyayamasalas, os ginásios indianos indígenas.

Ambos Sjöman e Mark Singleton, um estudioso norte-americana que já entrevistou muitos daqueles associados ao Palácio de Mysore durante o seu apogeu na década de 1930, acreditam que as sementes da mentira yoga moderno residem no estilo inovador de Sritattvanidhi. Krishnamacharya , que estava familiarizado com este texto e citou-o nos seus próprios livros, transportados no inovação, adicionando uma variedade de ginástica e exercícios ocidentais para as rotinas que aprendeu com Sritattvanidhi, que já tinha cruzado hatha yoga com a tradicional luta livre e rotinas acrobáticas indianas.

Além disso, está bem estabelecido que Krishnamacharya teve livre acesso a uma sala de ginástica de estilo ocidental no Palácio Mysore, com todas as cordas de parede usuais e outros adereços que ele começou a incluir em suas rotinas de yoga.

Sjöman extraíu textos do manual de ginástica que estava disponível para Krishnamacharya. Afirma que muitas das técnicas de ginástica daquele manual – por exemplo, o salto para trás com as pernas cruzadas e onde se caminha com as mãos numa parede para fazer as costas em arco – encontraram o caminho para os ensinamentos de Krishnamacharya, que este passou para Iyengar e Jois.

Além disso, nos primeiros anos do século XX, uma rotina de ginásitica Sueca no aparelho-livre, desenvolvida por um dinamarquês com o nome de Niels Bukh (1880-1950), foi introduzida na Índia pelos britânicos e popularizada pelo YMCA. Singleton argumenta que “pelo menos 28 dos exercícios na primeira edição do manual do Bukh são muito semelhantes (muitas vezes idênticos) às posturas de yoga que ocorrem na sequência Ashtanga yoga de Pattabhi Jois ou no livro “Luz sobre Yoga” de Iyengar.

A ligação é novamente Krishnamacharya, que Singleton chama de um “jogador importante na fusão moderna de prática de asanas de estilo de ginástica e a tradição Patanjali.”

ENTÃO, QUEM É O DONO DO YOGA?

As reivindicações estridentes do HAF acerca dos ocidentais roubando yoga encobrem completamente a enorme quantidade de cruzamentos e hibridos que deu à luz o yoga como o conhecemos. Na verdade, o yoga contemporânea é um exemplo único de uma inovação verdadeiramente global, em que as práticas orientais e ocidentais se uniram para produzir algo que é valorizado e apreciado em todo o mundo.

O hinduísmo, seja antigo, medieval ou moderno, não tem reivindicações especiais sobre o yoga postural do século XXI. Afirmar o contrário é grosseiro e simplesmente falso.”
+ + +

Meera Nanda é professor visitante de História da Ciência do Instituto Indiano de Ciências da Educação e Pesquisa, Mohali , na Índia.
28 de fevereiro de 2011
http://www.sikhchic.com/fashion/yoga_neither_hindu_nor_ancient_its_a_19th_20th_century_concoction

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s